Não há que esconder! Gostei da resposta!


Ora, com o direito que é seu, recebi a resposta, a qual aqui deixo integralmente. Ao autor já dirigi os meus respeitosos cumprimentos, num comentário curto, mas sincero, "Parabéns pela sua frontalidade. Respeito a sua posição e elevada educação. Obrigado pelo esclarecimento."

«Caro António Albuquerque,



Dois pontos prévios: não desejo alimentar polémicas e saúdo o respeito pela liberdade de expressão. No sentido de reforçar esta afirmação e tendo em conta a publicação no seu blog pessoal acerca do texto de opinião por mim elaborado, pretendia apenas esclarecer o seguinte:
"O porquê do nascimento deste "diário" logo após o dito anúncio do Peniche Online?"
Foi exactamente devido ao anúncio do Peniche Online que decidi criar esta página. Por reconhecer o trabalho, a importância e utilidade desse projecto e, tal como muitos leitores, não gostar de o ver definhar por intrigas políticas. Não é minha intenção afrontar ninguém mas sim contribuir para a pluralidade de opiniões própria de um ambiente democrático saudável.
O Diário de Peniche pretende ajudar, ser complementar ao Peniche Online, pelo menos enquanto este se mantiver encerrado, e continuar a levar o concelho de Peniche aos seus conterrâneos, emigrantes e todos os outros interessados. Dar-lhe presença na Internet e na vida das pessoas e proporcionar ao próprio administrador a oportunidade de fazer algo útil e prazeroso. Falando a um título mais pessoal, a minha esperança é que após as eleições autárquicas os administradores do Peniche Online reconsiderem a sua posição, particularmente o António Alburquerque, e reactivem o site. Nesse momento o Diário de Peniche irá acabar porque não existe razão para existirem dois blogs com os mesmos objectivos e ferramentas. O artigo de opinião, respondendo à sua segunda pergunta, é fundamental tendo em conta esta contextualização.
"Seria necessário mostrar o que diz a lei?"

Claro que sim. A opinião é um direito e uma forma de cidadania activa que deve ser exercido com coerência e fundamentação.
"Este texto pretende ser uma opinião livre ou está agarrada a qualquer ideologia?"

Precisamente por ser uma opinião livre é que "dá uma no cravo e outra na ferradura" como refere na pergunta anterior. A única ideologia a que está associada é à defesa da liberdade de expressão e essa independência dá-me a possibilidade de não alinhar com nenhuma das partes, justamente por pensar que nenhuma está completamente certa.
Julgo, porém, que a sua pergunta se referia aos interesses partidários. Deixe-me dizer-lhe que não participo em qualquer filiação politico-partidária nem em qualquer estrutura de apoio e raramente contactei com políticos na minha vida. Com a Política, porém, contacto frequentemente e tenho as minhas opiniões e posicionamentos. No entanto, luto sempre para que não existam conflitos de interesses entre os valores que defendo e as constantes "partidarites agudas" que toldam o raciocínio de quem lidera e apoia, lançando falácias para a opinião pública no sentido de conquistar mais votos.
Não estou com isto a fazer qualquer acusação mas é necessário reconhecer, e penso que é do senso comum, que essas situações acontecem e eu, mesmo confessando as minhas limitações, esforço-me para formar uma opinião o mais correctamente possível.
"Dois comentários algo estranhos"

A minha interpretação ao comentário realizado na sequência do meu texto opinativo é a de que o seu autor pretendeu, de forma irónica, insinuar que eu estaria a defender Jorge Amador. Repare na forma - algo inteligente diga-se - como o comentador utiliza o nome de um actual deputado do Partido Comunista Português que se assemelha com "Bernardo Soares" e expressões associadas a essa facção partidária. De resto, parece-me que a opinião do António Albuquerque é bem mais sensata do que a deste anónimo.
"(...) deixar sem opinião questões acusatórias que foram devidamente desmentidas"

Não acredito de forma alguma que queira enganar alguém, condeno a manipulação da língua portuguesa como forma de retórica e reconheço o esforço para uma discussão plural e aberta em vésperas de eleições. Provavelmente por temer o escrutínio público e com enorme alcance que tinha (e tem) o Peniche Online, Jorge Amador resolveu ameaçar e limitar a discussão. Em coerência com a liberdade de expressão que venho aqui defendendo não posso concordar com tal atitude.
"Quem é o Bernardo Soares, autor do texto de opinião?"

Bernardo Soares é um pseudónimo que identifica o autor do texto de opinião e exerce de forma autónoma a administração deste blog. Tenho plena consciência de que a divulgação do nome real daria outra legitimidade à opinião mas não é possível de momento por razões pessoais.
Só para finalizar, ainda bem que o Peniche Online provocou ondulação. Em minha opinião devia provocar mais, mas com cuidado e correção.»
Concluo, fazendo questão de referir, que a partir desta data me tornei seguidor diário deste blog. Gosto de gente séria, educada e que reconheça os limites da boa educação e o respeito pela liberdade que cada um tem de se expressar.

Renovo os meus Parabéns e desejo os maiores sucessos ao Diário de Peniche e ao seu autor!